QuoMarkets

O que é um ETF (fundo negociado em bolsa)?

Nos últimos anos, a popularidade dos ETFs cresceu exponencialmente. Em 2020, os ETF ultrapassaram a marca simbólica de 1.000 mil milhões de euros de ativos sob gestão europeia. Porém, antes de investir em ETFs, você deve entender como eles funcionam. Você encontrará tudo o que precisa saber em nosso guia! 

 

 

O que é um ETF? 

ETF significa Fundos Negociados em Bolsa. Como o nome indica, são fundos de índice negociados em bolsa. Os ETFs acompanham o desempenho dos índices do mercado de ações, combinando assim o desempenho de várias empresas – ao contrário das ações individuais, que representam o desempenho de uma única empresa de cada vez. O objetivo de um ETF é obter o mesmo retorno do índice que acompanha. 

 

 

Investir passivamente significa, portanto, apostar no crescimento global do mercado. Em vez de selecionar manualmente ações individuais, você confia no crescimento da economia ao longo do tempo. Por exemplo, se o CAC 40 aumentar em 1%, então o valor de um ETF CAC 40 também aumentará em 1%. Se o valor cair, o ETF também cairá. Aqueles que investem num ETF estão, portanto, a apostar num mercado estabelecido e não na compra de ações de empresas individuais, como poderia fazer um investidor ativo. 

 

 

Foi demonstrado que a construção de riqueza a longo prazo através de uma estratégia passiva, como uma estratégia de comprar e manter com ETF, é mais eficiente do que abordagens ativas. Os ETFs também são muito mais baratos do que os fundos geridos ativamente. No caso de fundos ativos, os gestores são responsáveis e gerenciam manualmente a composição do fundo (stock picking); as taxas de administração são, portanto, mais altas. Então, como funcionam os ETFs e como você os escolhe? Isso é o que veremos ao longo deste guia. 

 

 

Quem emite ETFs? 

Os ETFs são oferecidos por empresas de gestão de ativos. À escala global, existem milhares de ETFs diferentes, dos quais mais de 750 estão cotados na bolsa de valores de Paris. Esta multiplicidade é explicada pelo grande número de sociedades gestoras que emitem ETFs e pelos inúmeros índices que refletem, em parte, estratégias específicas ou replicam setores de nicho. Em primeiro lugar, a sociedade gestora compra os títulos contidos no índice com as contribuições dos investidores. Em seguida, emite um título (um ETF) que acompanha o desempenho de todos esses títulos. 

 

 

Como um ETF replica seu índice? 

Vamos usar o CAC 40 como um exemplo simples de como funcionam os ETFs. O índice CAC 40 compreende 40 ações francesas selecionadas entre as 100 maiores capitalizações. O ETF CAC 40 replica essas 40 ações com pesos semelhantes aos seus pesos no índice. Portanto, através de um ETF, você pode apostar na evolução do CAC 40 sem comprar diretamente cada uma das 40 ações que o compõem! 

 

 

O que ainda seria possível para o CAC40 é muito menos possível se considerarmos um índice global composto por milhares de ações diferentes. O ETF, portanto, compra todas as ações que compõem o seu índice de referência, tendo o cuidado de respeitar as respectivas ponderações. Assim, quando novas ações entram no índice, o ETF as compra; quando as ações saem do índice, ele as vende. Ao contrário dos fundos ativos, esse processo é totalmente automatizado e não requer intervenção do gestor. 

 

 

Um ETF é um fundo de investimento; como qualquer fundo de investimento, a custódia dos ativos e sua gestão são distintas. Em caso de falência da sociedade gestora emissora, os ativos que compõem o fundo são mantidos separadamente por um custodiante e não serão afetados. Então você não precisa se preocupar com seu dinheiro. 

 

 

Diferentes métodos de replicação 

A forma como um ETF replica o desempenho de um conjunto de ações individuais é chamada de método de replicação. Isso impacta diretamente o custo, o desempenho e o risco do seu ETF. Existem três métodos diferentes: 

 

  • Replicação direta ou física (total) (quase): todas as ações do índice são compradas individualmente. Este é considerado o método mais preciso. No entanto, a replicação física pode ser um pouco mais cara para ETFs com centenas ou milhares de ações. 

 

  • Replicação física parcial ou amostragem (otimizada): o fornecedor do ETF realiza uma pré-seleção e compra fisicamente apenas as ações líquidas consideradas como tendo um peso suficientemente grande no índice. Este método é particularmente adequado para ETFs amplos, cujo desempenho é impulsionado principalmente por algumas ações representativas de grande porte. 

 

  • Replicação indireta ou sintética (ETF swap): o fornecedor do ETF replica o índice através de um swap com uma contraparte, muitas vezes um banco de investimento. Este último garante o retorno do índice à gestora do ETF em troca do retorno real de uma carteira de referência. Esta replicação é particularmente adequada para mercados de nicho e de commodities. 

 

 

O conteúdo acima é fornecido e pago pela QuoMarkets e é apenas para fins informativos gerais. Não atua como um investimento ou aconselhamento profissional e não deve ser assumido como tal. Antes de agir com base em tais informações, recomendamos que você consulte seus respectivos profissionais. Não credenciamos terceiros mencionados no artigo. Não assuma que quaisquer valores mobiliários, setores ou mercados descritos neste artigo foram ou serão lucrativos. As perspectivas econômicas e de mercado estão sujeitas a alterações sem aviso prévio e podem estar desatualizadas quando apresentadas aqui. Performances passadas não garantem resultados futuros, podendo haver a possibilidade de perda. Os resultados de desempenho históricos ou hipotéticos são publicados apenas para fins ilustrativos.

Compartilhar
QUOlogo_RGB_S

Obrigado pela visita
QuoMarkets.com

Confirmo que estou interessado em visitar este site sem solicitação prévia e não recebi nenhuma atividade de marketing direto não permitida no meu país de residência.

Sua resposta não está de acordo com a visita ao nosso site.